Já fazem mais de 2 anos que eu terminei o Ensino Médio, e ainda me encontro nesse dilema de não saber o que quero. Ao contrário do que eu imaginava, eu não arrumei um emprego, não fui pra faculdade, e nem me tornei uma adulta exemplar. Na verdade, ainda me sinto uma criança perdida no super mercado. E se você se sente da mesma forma, eu tô aqui pra falar o que ninguém diz: Tá tudo bem! 
Nos últimos meses, especificamente quando percebi que 2016 estava acabando e eu não tinha evoluído nada, eu comecei a surtar. Ainda me sentia a mesma menina de 17 anos saindo da escola. Parecia que a minha vida não tinha progredido nada, que eu não tinha me tornado nada. Enquanto todos que eu conheço estão na faculdade, fazendo estágio ou tem um emprego legal do que gostam, estou aqui, na frente do meu computador indo a lugar nenhum. Comecei a ficar doida, procurando emprego de todas as formas (e até agora não consegui). Chorava quase todos os dias de frustração, de raiva por ser assim, eu me sentia mal, me sentia fracassada. 
Mas espera, nem cheguei nos 20 ainda e preciso mesmo me cobrar tanto? Poxa, eu queria sim ter um emprego, e estar no ensino superior, mas sou mesmo uma fracassada por não ter conseguindo ainda? Coisa que nem sequer é culpa minha? Eu tenho trabalhado sim, e trabalhado duro. Saí do nada, comecei aos poucos e conquistei uma vida profissional. Com isso, ganhei meu dinheiro e aprendi muita coisa. S-O-Z-I-N-H-A. Além dos meus projetos pessoais, dos quais eu tenho sido muito dedicada. Isso é fracassar? Isso não é progredir? É o que então? 
E o que eu percebi com tudo isso, é que me magoar achando que eu não sou boa o suficiente só me prejudica. Me atrasa. Me lamentar por ainda não ter conseguido um emprego ou entrar na faculdade… isso só me faz mal. Enquanto focar no que eu quero, me esforçar, me dedicar, ir em frente com o que eu gosto e me sustenta, me deixa cada vez mais feliz. Então talvez, depois do Ensino Médio, eu não precise necessariamente fazer o que todo mundo faz. Porque o meu sonho, não é o sonho de todo mundo. 
E talvez eu nem saiba ainda qual é o meu sonho. E tá tudo bem. O que importa é seguir o caminho, mesmo que seja diferente, mesmo que ninguém entenda, mesmo que nem saiba onde esse caminho vai dar. Desde que seja pra frente: tá tudo bem.